Hélder Amaral: «Parcos & Recursos»

Hélder Amaral

O deputado do CDS-PP eleito por Viseu, Hélder Amaral, deixa aqui a sua opinião.

Parcos & Recursos

«São de facto parcos os recursos do Estado e, de forma geral, os dos portugueses. A vida de todos será condicionada pela quantidade de recursos que somos capazes de produzir. É assim, e devia ser sempre assim. Aumentar excessivamente o consumo público num contexto de poucos recursos foi uma escolha política errada: nos últimos seis anos bateram-se todos os recordes de consumo público, mas o país cresceu em média pouco mais de meio por cento. Estamos obrigados a mudar. Não se percebe, por isso, o manifesto “Novo Rumo”, assinado por quem nunca teve rumo: são vários dirigentes de “esquerda”, que defendem as mesmas soluções e os mesmos caminhos que nos trouxeram à beira da bancarrota. Recorde-se que foi o PS que pediu e negociou o memorando cujas medidas estão agora a ser aplicadas. Não fazer nada, ou aplicar as medidas de forma moderada, daria apenas uma ideia errada de facilidade; significaria apenas adiar e aumentar o problema. Se tudo está mal, ficaria a prazo muito pior. De nada serve procurar soluções lá fora, se não resolvermos os problemas cá dentro. Não há crise na democracia portuguesa, não há tão pouco crise ideológica (excepto a esquerda): o que tem havido é irresponsabilidade e péssimos governos, com consequências no desequilíbrio das contas públicas. Existe ainda um Estado obeso e preguiçoso, e é isso que pode por em causa a democracia na Europa, ou as conquistas de Abril. Não é possível a um País estar sistematicamente a gastar 8 a 9 por cento acima daquilo que se produz, ou a sonhar com folgas, agarrado a almofadas inexistentes.

O problema não se resolve com mais consumo público, mas sim com melhor consumo público, e com melhor Estado. Não com um Estado intrusivo na economia, mas com um Estado regulador e facilitador da economia, mesmo que alguns dos empresários vivam sentados no “colo” do Estado. Foi interessante assistir ao último Congresso da Associação Industrial da Região de Viseu, e ver tantos e tão dinâmicos empresários que, apesar das dificuldades, transpiram vontade e energia para continuar a combater as dificuldades, bem identificadas pelo seu Presidente: quer a falta de infra-estruturas, como a ligação a Coimbra e a ligação ferroviária Aveiro/Salamanca, prometidas há décadas, a falta de “ensino superior de referência”, ou até a falha de alguns políticos da região que, no seu dizer, se esquecem das origens assim que passam Coimbra em direcção a Sul. Este, apesar de tudo, é um problema fácil de resolver: basta que tenha mais critério nos políticos que apoia.

São empresários como os do nosso distrito que nos dão confiança, que nos dizem que é possível vencer as dificuldades. Estavam ali empresas e empresários de várias gerações, que têm evoluído muito do ponto de vista tecnológico, com empresas que geram mais valor acrescentado. Mesmo nos sectores tradicionais, nota-se uma abordagem mais racional do mercado. Se os empresários de Viseu não utilizarem o mesmo GPS que usam os políticos a que se referia o presidente da AIRV, então há motivos de esperança para a nossa região.

Está praticamente no fim a discussão na especialidade do Orçamento de Estado, o mais difícil das últimas décadas. As primeiras páginas destacam as medidas difíceis, mas há sensibilidade social, apesar das dificuldades. Deixo aqui alguns exemplos, muitas vezes esquecidos nas primeiras páginas:

Este orçamente prevê que um montante até 200 milhões de euros da receita adicional de IVA será destinado ao financiamento do Programa de Emergência Social (PES), aumentando os recursos destinados ao auxílio das famílias portuguesas em situação de exclusão ou carência social, envolvendo não só o Estado, mas todos – organizações da sociedade civil, Autarquias, Misericórdias, as Mutualidades, e Instituições Particulares de Solidariedade Social; majoração do subsidio de desemprego para os casais com filhos e em que ambos os membros do agregado se encontram no desemprego; assegurar a doação e distribuição de alimentos e refeições para os mais desfavorecidos; colocar casas para arrendar a baixo preço do mercado; tarifas sociais para o gás e electricidade; manuais escolares para jovens que frequentam cursos de aprendizagem, cursos profissionais, cursos de educação e formação de jovens, e de especialização tecnológica; manutenção do poder de compra das pensões mínimas, rurais e sociais; simplificação do licenciamento das creches e lares, ou a criação de um banco de medicamentos, combatendo o desperdício de medicamentos que nunca entraram no circuito comercial.

Apesar do enorme esforço de contenção financeira que o governo está a fazer, é possível ajudar quem mais precisa. Fica assim mais claro, nestas e noutras medidas que não enunciei, que se cumpre a promessa do Governo: “ninguém será deixado para trás”.

Hélder Amaral – Deputado CDS/PP – Viseu, 28 de Novembro de 2011.»


Partilhar
Artigos Relacionados
Acácio Pinto: «A coligação não mente por ignorância, a coligação mente por maldade!»

Acácio Pinto: «A coligação não mente por ignorância, a coligação mente por maldade!»

[caption id="attachment_36841" align="alignleft" width="200"] Acácio Pinto[/caption]O deputado do PS, eleito por Viseu, Acácio Pinto, deixa aqui a sua opinião.A coligação não mente por ignorância, a c...
Pedro Alves: «O risco da intermitência»

Pedro Alves: «O risco da intermitência»

[caption id="attachment_17915" align="alignleft" width="250"] Pedro Alves[/caption]O deputado do PSD, eleito por Viseu, Pedro Alves, deixa aqui a sua opinião.O risco da intermitência«Passados 5 meses ...
Carlos Cunha: «Jardins Efémeros 2015: uma apresentação crispada»

Carlos Cunha: «Jardins Efémeros 2015: uma apresentação crispada»

[caption id="attachment_34483" align="alignleft" width="215"] Carlos Cunha[/caption]Carlos Cunha, deputado municipal eleito pelo CDS, deixa aqui a sua opinião.Jardins Efémeros 2015: uma apresentação c...
Acácio Pinto: «Comemorações do dia 10 de junho – Elvira Fortunato inspiradora | Cavaco, o “agente” do governo em Belém»

Acácio Pinto: «Comemorações do dia 10 de junho – Elvira Fortunato inspiradora | Cavaco, o “agente” do governo em Belém»

[caption id="attachment_14931" align="alignleft" width="300"] Acácio Pinto[/caption]O deputado do PS, eleito por Viseu, Acácio Pinto, deixa aqui a sua opinião.Comemorações do dia 10 de junhoElvira For...
Pedro Alves: «O triunfalismo inconsequente de António Costa»

Pedro Alves: «O triunfalismo inconsequente de António Costa»

[caption id="attachment_17915" align="alignleft" width="250"] Pedro Alves[/caption]O deputado do PSD, eleito por Viseu, Pedro Alves, deixa aqui a sua opinião.O triunfalismo inconsequente de António Co...
Vítor Santos: «Para que serve uma Declaração Universal dos Direitos do Homem?!»

Vítor Santos: «Para que serve uma Declaração Universal dos Direitos do Homem?!»

[caption id="attachment_1258" align="alignleft" width="150"] Vitor Santos[/caption]Vítor Santos, licenciado em Comunicação Social, deixa aqui a sua opinião.Para que serve uma Declaração Universal dos ...
Luís Mouga Lopes: «Dia do Associativismo»

Luís Mouga Lopes: «Dia do Associativismo»

[caption id="attachment_37910" align="alignleft" width="250"] Luís Mouga Lopes[/caption]Luís Mouga Lopes, Dirigente Distrital do BE, deixa aqui a sua opinião.Dia do Associativismo «O papel do Bloco de...
Carlos Bianchi: «(In)consequências»

Carlos Bianchi: «(In)consequências»

[caption id="attachment_27258" align="alignleft" width="250"] Carlos Bianchi[/caption]Carlos Bianchi, advogado, deixa aqui a sua opinião.(In)consequências«Não querendo parecer um daqueles escritores q...
Pedro Alves: «O Dia de Portugal»

Pedro Alves: «O Dia de Portugal»

[caption id="attachment_17915" align="alignleft" width="250"] Pedro Alves[/caption]O deputado do PSD, eleito por Viseu, Pedro Alves, deixa aqui a sua opinião.O Dia de Portugal«O Presidente da Repúblic...
Carlos Cunha: «Serão as Cavalhadas de Vildemoinhos uma festa em honra de Baco?»

Carlos Cunha: «Serão as Cavalhadas de Vildemoinhos uma festa em honra de Baco?»

[caption id="attachment_34483" align="alignleft" width="215"] Carlos Cunha[/caption]Carlos Cunha, deputado municipal eleito pelo CDS, deixa aqui a sua opinião.Serão as Cavalhadas de Vildemoinhos uma f...

Empresas Mais
Zé da PinhaBrites MotoresJSF Estores
Euro ViseuLoja das Ajudas Técnicas
promotorD DuarteDifapauto
Correia MarquesYour Ad HerePublicite2

Motores
Parceiros
Opinião
Video
Viseu Cidade de Viriato
Liga-te
Click para ver o tempo em Viseu, Portugal
Votação

A ligação ferroviária Aveiro-Viseu-Vilar Formoso pode vir a ser uma realidade. Qual a importância para Viseu deste eixo ferroviário?

Ver resultados

Loading ... Loading ...
Recent Posts

Fnac promove campanha de apoio aos Palhaços D’Opital do Hospital Tondela-Viseu

A Fnac Viseu promove uma campanha de apoio à associação cultural sem fins lucrativos - Palhaços D’Opital, que...

CDU vota contra criação da “Empresa Águas de Viseu”

Filomena Pires da CDU A CDU marcou com intervenções “fundamentadas e objectivas” os trabalhos...

Balanço do Projecto FINCENTRO

O Conselho Empresarial do Centro/Câmara de Comércio e Indústria do Centro realizou no passado dia...

Autarca de Tondela satisfeito com autoestrada e solução para IP3

José António Jesus - Pres. CM Tondela A empresa pública Infraestruturas de Portugal anunciou a...

Vouzela: III Festival do Feijão com balanço positivo

A Associação Pa(ç)ssos para a Torre de Vilharigues, com a colaboração do Município de Vouzela,...
Comentários Recentes
Tenho um neto, Guilherme Filipe Ávila A. Antunes, de quem tenho a tutela, a residir no Sátão e que transitou para o 5º. ano. Go
Não que tenha nada contra os animais, mas enquanto os associados sorriem para a fotografia a julgar que estão a fazer um grande fe
Fiz hoje com um grupo de amigos de Aveiro,o percurso da Rota dos Rios e das Levadas. Fantastico,não só pela beleza mas porque est
Estou a pensar, para o ano, em passar em Moimenta da Beira para descansar uns dias, pois já pensei no hotel. Comer e passear com o
Um futuro para o interior. Grande lata Sr. deputado, "saibamos estar à altura das nossas responsabilidades e não defraudemos as su
Indicadores